Tenha um bom dia! Hoje é Sábado, dia 23 de Fevereiro de 2019. Agora são 10:53:02 hs
20 Set

Audiência Pública: Sindicato expõe as consequências do endereçamento confuso e câmara de Hidrolândia debate soluções Destaque

O SINTECT-GO participou, nesta quarta-feira, 19 de setembro, de uma Audiência Pública sobre os Correios na Câmara Municipal de Hidrolândia, a 30 km de Goiânia. O encontro, que contou com a participação de diretores do sindicato e representantes políticos da cidade, debateu, principalmente, o problema de endereçamento em Hidrolândia.

Durante a Audiência Pública, o SINTECT-GO exibiu matérias veiculadas na TV Anhanguera nos últimos anos sobre a dificuldade dos carteiros em entregar correspondências devido ao problema de endereçamento em diversas cidades do estado, entre elas Aparecida de Goiânia, Rio Verde, Itumbiara e Santo Antônio da Barra. Em todas as matérias exibidas, os carteiros reclamaram de ruas com dois ou mais nomes, casas com duas placas, casas sem lote ou quadra, endereços confusos, entre outros.

O secretário geral do SINTECT-GO, Elizeu Pereira, alegou que o Brasil é o único país onde se usa quadra e lote, e que isto acaba provocando confusão na hora da entrega de correspondências. Ele ainda exemplificou a situação das avenidas famosas de Goiânia que tem mais de um nome, como a Castelo Branco, que tem cerca de sete nomes distintos em sua extensão.

Segundo Elizeu, os trabalhadores dos Correios reclamam do endereçamento confuso das cidades, mas é a população a mais afetada por este problema, pois é ela que fica sem receber suas correspondências, contas e intimações.

O Sindicato tem promovido audiências publicas, inclusive junto ao Ministério Público, para debater e buscar uma solução para o problema de endereçamento, mas nem todos estão interessados. “Um dos entraves para a questão do endereçamento é o interesse político. Começamos a discutir este assunto, em 2013, mas apenas Quirinópolis e Aparecida de Goiânia criaram uma lei sobre isso. Quirinópolis fez um acordo com os Correios para que os carteiros entregassem as correspondências normalmente nos seis primeiros meses da lei, e depois entregasse as correspondências apenas nos endereços regularizados. O número de correspondências devolvidas caiu de 23% para 12%. A boa vontade disso passa pelo interesse da prefeitura, interesse da câmera municipal, pois não é só os Correios que são afetados, mas o corpo de bombeiros, os oficiais de justiça, entre outros”, explicou.

Eliezeu ainda falou sobre a redução do efetivo dos Correios no país e como isso afeta a população. “Nos últimos quatro anos, o Governo Federal reduziu o efetivo dos Correios em 25.000 funcionários, abrindo Plano de Demissão Voluntária (PDVs). Em Goiás, estamos trabalhando com 450 funcionários a menos, o que é inviável para a boa prestação de serviço, além de ser desumano. Em São Simão, por exemplo, que tem cerca de 30 mil habitantes, deveria ter sete carteiros trabalhando, mas só tem três. Faz-se o PDV, mas não substitui estes funcionários que saem”, esclareceu.

Representantes da Câmara de Hidrolândia debateram soluções para o problema de endereçamento na cidade. Foi sugerido que a prefeitura informe o endereço correto à população, e que cada morador seja responsável por identificar seu endereço na residência. Além disso, será preciso fazer um material para conscientizar e informar a população.  Também foi sugerido que endereços corretos sejam aplicados assim que surgir novos loteamentos, a fim de evitar futuros problemas, além da criação de regras para denominações de logradouros e para a mudança de nomes de ruas.

 

Assista a Audiência Pública na íntegra aqui.

Última modificação em Sexta, 21 Setembro 2018 14:20
Avalie este item
(0 votos)
voltar ao topo