Tenha uma boa madrugada! Hoje é Quinta, dia 12 de Dezembro de 2019. Agora são 03:06:11 hs

Vereadores de Campestre de Goiás assinam moção de repúdio contra privatização dos Correios

O SINTECT-GO participou no dia 04 de setembro de 2019 de uma sessão da Câmara Municipal de Campestre de Goiás a convite do carteiro Jefferson Teles e Costa. Na ocasião, os vereadores da cidade assinaram moção de repúdio contra a privatização dos Correios, deixando claro o apoio da Casa à manutenção da empresa pública, com ampla presença no território nacional.

Na Moção de Repúdio, a Câmara Municipal de Campestre de Goiás destaca a prestação de serviços de interesse social por parte dos Correios, além de inúmeros serviços relevantes à órgãos públicos, federais, estaduais e municipais, como o recebimento de impostos e taxas, pagamento de benefícios sociais, distribuição de medicamentos. Confira abaixo a íntegra da Moção de Repúdio.

 

 

 

Leia mais ...

Dirigentes sindicais recolhem assinaturas contra a privatização dos Correios

 

O SINTECT-GO está coletando assinaturas contra a privatização da Empresa. O ato faz parte da campanha "Todos Pelos Correios", que pretender reunir 1 milhão de assinaturas em todo país contra o processo. Nesta quinta e sexta, 22 e 23, os dirigentes estarão pelo Centro de Goiânia, na Rodoviária e nas feiras livres com o abaixo assinado e conscientizando a população sobre os prejuízos da privatização dos Correios.

Nesta quinta-feira, 22 de agosto, dirigentes sindicais recolheram assinaturas na Praça do Bandeirantes, no Centro, e em frente a Faculdade de Direito da UFG, no Setor Universitário. Nos últimos 40 dias, os dirigentes sindicais visitaram todas as unidades dos Correios em Goiás e também recolheram assinaturas contra a privatização da estatal.

Governo anuncia privatização da Estatal

Nesta quarta-feira, 21, o governo anunciou uma lista de 17 empresas estatais que serão privatizadas, entre elas os Correios, Serpro e Telebrás (que tem ações negociadas na Bolsa de Valores).

 

Consequências da privatização para a população

Além de colocar em risco o emprego de mais de 105 mil trabalhadores e trabalhadoras em todo o país, a privatização dos Correios ainda trará graves consequências no âmbito social, econômico, territorial e geopolítico brasileiro, entre elas:

1)      Muitas pessoas serão privadas do acesso ao serviço postal por causa do fechamento de agências;

2)      A Empresa pode perder a obrigatoriedade de executar políticas públicas como distribuição de livros didáticos, entrega de vacinas, coleta e distribuição de donativos em casos de catástrofes, entre outros, e assim a sociedade seria prejudicada;

3)      No plano econômico, a privatização dos Correios pode aprofundar ainda mais a crise e aumentar as dificuldades logísticas para setores que dependem da Estatal;

4)      Pequenas empresas seriam prejudicas, pois deixariam de contar com o único operador logístico em todo o território brasileiro;

5)      Os Correios é a única instituição presente em 100% do território brasileiro, atendendo 5570 cidades;

6)      Os valores dos serviços prestados pelos Correios aumentarão; entre outros.

 

AJUDE A CATEGORIA ECETISTA A BARRAR A PRIVATIZAÇÃO DOS CORREIOS, ASSINE O ABAIXO ASSINADO AQUI!

Leia mais ...

Privatização dos Correios ganha força no governo, diz Bolsonaro

  • Publicado em ECT

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (7) que a privatização dos Correios ganhou força em seu governo. A manifestação foi postada em sua conta oficial no Twitter. Para ele, a menor participação do Estado pode melhorar e baratear os serviços públicos. 

"Serviços melhores e mais baratos só podem existir com menos Estado e mais concorrência, via iniciativa privada. Entre as estatais, a privatização dos Correios ganha força em nosso Governo", tuitou. 

Não é a primeira vez que o presidente se manifesta a favor da privatização da estatal. Em abril, ele havia autorizado estudos para a desestatização da companhia

Com 356 anos de existência, a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) é subordinada hoje ao Ministério das Comunicações, Ciência, Tecnologia e Inovação. Após prejuízos registrados entre 2013 e 2016, a estatal registrou lucro de R$ 161 milhões em 2018 e de R$ 667,3 milhões em 2017.

A manifestação ocorre um dia depois do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) ter decidido, por maioria, liberar a venda do controle acionário de subsidiárias de empresas públicas e sociedades de economia mista, sem que para isso seja preciso aval legislativo ou processo de licitação. A venda sem autorização do Congresso Nacional não vale, contudo, para empresas matrizes, como é o caso dos Correios, que ainda precisará de autorização parlamentar. 

Os Correios possuem, no entanto, uma subsidiária, a Correios Participações (CorreiosPar), criada em 2015, que desenvolve projetos nos segmentos financeiro, de comunicação digital e de logística integrada.  

Reprodução Agência Brasil - Pedro Rafael Vilela

Leia mais ...

Consequências da privatização dos Correios para o país

1)    Muitas pessoas serão privadas do acesso ao serviço postal por causa do fechamento de agências;

2)    Se privatizada, a Empresa pode perder a obrigatoriedade de executar políticas públicas como distribuição de livros didáticos, entrega de vacinas, coleta e distribuição de donativos em casos de catástrofes, entre outros, e assim a sociedade seria prejudicada;

3)    No plano econômico, a privatização dos Correios pode aprofundar ainda mais a crise e aumentar as dificuldades logísticas para setores que dependem da Estatal, aprofundando ainda mais o desemprego, que já ultrapassa o número de 13,2 milhões, além dos 30 milhões no precário mercado de trabalho informal, segundo dados  atualizados do IBGE;

4)    Os Correios é a única instituição presente em 100% do território brasileiro, atendendo 5570 cidades, funcionando como instituição financeira em cerca de 1900 unidades, constituindo assim um importante elemento de integração do território brasileiro, que seria perdido com a privatização.

5)    A estatal só possui o monopólio postal, limitando a cartas e telegramas, sendo que os demais serviços, como o de encomendas, estão em livre concorrência;

6)    Os valores dos serviços prestados pelos Correios aumentarão, assim como o valor dos serviços prestados por outras empresas de logística, que acabam utilizando o serviço dos Correios para que os produtos cheguem em todas as localidades do país; e

Pequenas empresas e ecommerces seriam prejudicados, pois deixariam de contar com o único operador logístico presente em todo o território brasileiro;

 

Leia nosso boletim aqui!

Leia mais ...

Comissão fará audiência sobre fechamento de agências dos Correios e demissões

O fechamento de 513 agências dos Correios será debatido nesta quinta-feira (17) pela Comissão de Direitos Humanos. O senador Paulo Paim (PT-RS) requereu uma audiência pública sobre o assunto, após ser informado de que a reunião da diretoria dos Correios que tomou essa decisão foi realizada em caráter secreto, com cláusula de sigilo assinada por todos os participantes. A questão é muito séria, criticou Paim:

— Desde abril têm chegado notícias de fechamento de diversas agências lucrativas em todo o país, com diversas informações de demissões de até 5.300 funcionários. Estariam sendo fechadas as agências próprias, em favor das agências franqueadas.

O novo presidente dos Correios, Carlos Forner, admitiu que estaria havendo um “redesenho” da empresa. Mas para o senador, estão afundando as finanças da empresa para justificar uma privatização e gerar uma massa de desempregados.

Segundo informações citadas pelo senador, a decisão foi tomada no início de fevereiro. Em Minas Gerais, das 20 agências mais rentáveis, 14 deixarão de funcionar. Os clientes serão atendidos por agências franqueadas que funcionam nas proximidades das que serão fechadas. Em São Paulo o quadro é mais radical: serão fechadas 167 agências, 90 na capital e 77 no interior.

— Isso é o desmonte proposital de uma empresa pública que já foi referência de qualidade em todo o país —afirmou Paim.

Foram convidados para o debate representantes da direção dos Correios, dos Ministérios da Ciência e Tecnologia e do Trabalho, dos sindicatos dos trabalhadores dos Correios e da CUT.

Você pode acompanhar:

Participe: http://bit.ly/audienciainterativa

Portal e-Cidadania: www.senado.gov.br/ecidadania

Confira o Informe 016 da Fentect sobre a audiência


(Agência Senado)

Leia mais ...

Presidente dos Correios 'explica' fechamento de agências

Questionado sobre o fechamento de diversas agências, ele atribuiu a medida a um projeto de restruturação do Governo, o qual visa melhorar a qualidade de atendimento do cliente

Em entrevista à radio CBN nesta manhã, 15, Carlos Fortner, presidente dos Correios, deu explicações sobre a situação atual da estatal. “Hoje, 55% do nosso faturamento vem do concorrencial, ou seja, e-commerce e entregas. O restante (45%) é proveniente das cartas, e isso vai continuar. Porém, temos ciência de que com o tempo essa proporção mudará para o concorrencial”.

Segundo Fortner, a ideia é investir no serviço online para otimizar o atendimento. “Essa administração tem feito um grande serviço para melhorar a experiência do cliente. Não podemos mais tratar as pessoas como usuárias de nossos serviços, mas sim como clientes, pois estão pagando por isso. Com as otimizações e o investimento em tecnologia, esperamos passar de 12 mil para 14 mil pontos de atendimentos até 2022”, enfatizou.

Questionado sobre o fechamento de diversas agências, ele atribuiu a medida a um projeto de restruturação do Governo, o qual visa melhorar a qualidade de atendimento do cliente. “Não justifica ter agências físicas, repletas de custos fixos, com 20 atendimentos diários no balcão. Um outro modelo mais enxuto pode ser mais eficiente e mais benéfico tanto para a empresa como para o cliente. Mas essa migração de um modelo para o outro só ocorrerá após a conclusão dos estudos”. (Blog Correios do Brasil Funcionários)

Leia mais ...
Assinar este feed RSS